fbpx
 

Covid-19 e a volta às aulas.

A volta à escola tem sido um assunto polêmico, além de ser motivo de apreensão e dúvidas por parte de pais e/ou responsáveis. Crianças, mesmo assintomáticas, podem ser transmissoras da doença. Tossem, espirram, compartilham brinquedos e alimentos sem maiores cuidados. De um modo geral, as crianças não fazem parte do grupo mais afetado pela COVID-19, entretanto, recentemente o Ministério da Saúde do Brasil publicou um documento que atualizou os grupos de risco, incluindo as crianças abaixo de cinco anos de idade com síndrome gripal, especialmente as menores de dois anos, nas quais há maior taxa de hospitalização, especialmente pelo potencial risco da infecção pelo vírus influenza nestes casos.

Com o objetivo de contribuir com informações a esse respeito, a Sociedade Brasileira de Pediatria lançou, em maio de 2020, uma série de orientações, que trazemos para vocês de forma sucinta.

Princípios fundamentais

– Pais e professores devem procurar manter-se informados sobre a COVID-19 (modo de transmissão, sintomas da doença, medidas de prevenção) por meio de fontes confiáveis, evitando as fake news.

– Crianças e profissionais da educação, se doentes, não devem frequentar a escola.

– A escola deve oferecer diversos locais para lavagem de mãos, água e sabão, álcool em gel e higienizar frequentemente os recintos e superfícies.

– A escola deve propiciar ambientes arejados, com aberturas de janelas. Atividades ao ar livre devem ser estimuladas.

– Cabe à escola evitar aglomerações na entrada, saída de alunos ou intervalos, criando horários alternativos para as turmas.

– Jogos, competições, festas, reuniões, comemorações e atividades que envolvam coletividade devem ser temporariamente suspensos.

– O ensino a distância, sempre que possível, deve ser estimulado.

Medidas de distanciamento social

– Em um primeiro momento, o número de alunos por sala, sempre que possível, deve ser reduzido, e os alunos podem ser divididos em grupos que se alternem entre a atividade presencial e a distância, de acordo com as disciplinas curriculares.

– O estabelecimento de ensino deve se organizar para que cada turma tenha o intervalo entre as aulas em horário diferente de outras turmas, assim como estabelecer horários de entrada e saída escalonados, evitando aglomerações.

– Sempre que possível, é recomendável manter um espaçamento entre os alunos dentro da sala de aula, de acordo com a realidade de cada escola, idealmente com espaço mínimo de um metro entre as mesas.

– Em relação ao transporte escolar, é necessário avaliar o número de usuários, para que se preserve a distância recomendável entre as pessoas também no veículo.

– Alunos que tenham contraindicações de frequentar a escola por serem imunocomprometidos, ou tenham doenças crônicas, devem receber educação a distância, bem como professores e funcionários da escola que sejam pertencentes aos grupos de risco devem ser deslocados para funções distantes do contato com os alunos.

Medidas educativas

É importante que cada escola adote políticas de educação envolvendo alunos, pais e/ou responsáveis, professores, dirigentes e funcionários.

– Os pais e/ou responsáveis devem ser orientados a não levarem seus filhos à escola ao menor indício de quadro infeccioso, seja febre, manifestações respiratórias, diarreia, entre outros. Os alunos devem ser mantidos afastados enquanto se aguarda a conclusão do diagnóstico, com o cuidado de não se estigmatizar o indivíduo, o que posteriormente pode trazer consequências negativas, como bullying entre as crianças.

– Caso a criança ou membros da família apresentem teste positivo para a COVID-19, a escola deve ser comunicada, sendo o seu retorno condicionado à melhora dos sintomas e não antes de 14 dias, a contar do primeiro dia do surgimento dos sintomas.

– Higienização das mãos frequentemente, especialmente antes e após as refeições e a ida ao banheiro. Reforçar a técnica adequada, conforme orientada pelo Ministério da Saúde, com duração mínima de 40 segundos utilizando água e sabão ou de 20 segundos quando utilizado álcool em gel.

– A escola deve manter lavatórios em bom funcionamento, sinalizados e abastecidos com sabão e papel toalha.

– O álcool em gel deve ser disponibilizado para alunos que possam utilizar com segurança e responsabilidade. Manter higienizadores de mãos em sala de aula, corredores, banheiros e na entrada e saída da escola.

– Evitar o uso e reúso de lenços de pano.

– Orientar para o uso de lenços descartáveis ou do antebraço (cotovelo dobrado) ao tossir ou espirrar; evitar tocar olhos, boca e nariz.

– Orientar para que cada estudante traga e utilize sua própria garrafa de água, utilizando os bebedouros comuns apenas para encher essas garrafas novamente; proibir estudantes de beber diretamente do bebedouro.

– O uso de máscaras deve ser estimulado. Está contraindicado em crianças menores de dois anos, pelo risco de sufocação e em indivíduos que apresentem dificuldade em removê-las, caso necessário. As máscaras devem ser trocadas de duas a quatro horas, ou antes, se estiverem sujas, úmidas ou rasgadas.

– As medidas educativas devem ser adaptadas para as diversas faixas de idade (pré-escola, ensino fundamental, médio e superior), em linguagem e comunicação adequadas para cada fase.

Limpeza e desinfecção da escola

– A escola deve proceder a limpeza de seus ambientes pelo menos uma vez ao dia e, mais frequentemente, das áreas de maior circulação de pessoas, assim como dos objetos mais tocados (maçanetas, interruptores, teclados, etc.).

– Está recomendado o uso de solução de hipoclorito de sódio a 0,5% para limpar superfícies e de álcool a 70% para pequenos objetos.

– Manter os ambientes arejados, de acordo com as condições climáticas, além de recolher o lixo com frequência e limpeza adequada dos bebedouros.

Lidando com o emocional

A pandemia tem sido causa de ansiedade em muitas pessoas e as crianças podem reagir de inúmeras formas, com alterações comportamentais, do sono e alimentação.
É importante que a escola tenha um espaço para que a criança possa falar sobre seus sentimentos, medos e dúvidas. Nos casos em que se identifique um quadro mais exacerbado, a criança deve ser encaminhada para um acompanhamento especializado.

A escola é um espaço de inclusão, formação e de exercício de cidadania, e neste momento, deve buscar cumprir seu papel, inclusive de promotora da saúde, com segurança e responsabilidade.

Nós, do Laboratório Vital Brazil, compartilhamos com você, fazendo nossa parte!
Porque VITAL é mais que saúde, é cidadania, união e responsabilidade no cuidado com nossas crianças!

FONTE: Departamentos Científicos de Imunizações e Infectologia/Sociedade Brasileira de Pediatria: “Covid-19 e a Volta às Aulas”. 13/05/2020

 

Dra. Silvia Saullo
Clínica Médica/Patologia Clínica

 
Receba nossas notícias